BlogPrecatórioO que é Precatório e como ocorre o pagamento?

O que é Precatório e como ocorre o pagamento?

O que é Precatório?

Um precatório é um pedido de pagamento emitido judicialmente por autoridades, instituições, municípios, estados e a União para recuperar dinheiro devido após uma condenação criminal definitiva.

Assim, o Precatório é uma espécie de pedido de pagamento de determinada quantia que a Fazenda Pública condenou em processo judicial. O pedido de pagamento é enviado pelo juiz executivo ao presidente do tribunal. As reclamações que chegam ao tribunal até 1º de julho do ano são consideradas precatórios e serão renovadas nesta data e serão incluídas no orçamento do ano seguinte. Os precatórios avaliados após esta data serão atualizados em 1º de julho do ano seguinte e classificados na proposta orçamentária seguinte.

Como funcionava o pagamento. 

O prazo para o depósito dos valores dos precatórios inscritos na proposta para um determinado ano é 31 de dezembro do ano para o qual foi inscrito no orçamento. Se houver desbloqueio dos valores, o Tribunal procede pagamento, primeiramente dos precatórios de créditos alimentares (referente a pensões, aposentadorias, salários, indenizações por falecimento ou invalidez) e depois os de créditos comuns, (oriundo de sentença condenatória transitada em julgado, devido Federal, Municipal e Estadual, compreendendo os órgãos da administração direta e da administração indireta, quando o valor for superior a 60 salários mínimos por beneficiário) segundo a ordem cronológica de apresentação. Então abre-se uma conta judicial para cada ordem judicial, deposita o valor correspondente para cada ordem judicial e disponibiliza os fundos (transferência para o tribunal de arquivamento) enviando uma carta formal ao tribunal que emitiu a ordem judicial. Uma vez que os fundos estejam disponíveis, um oficial de justiça decide autorizar a retirada correspondente, permitindo que o beneficiário faça a retirada. Após a transferência, os registros de Precatório serão levados à justiça.

Como pode ser visto acima, há um prazo para recebimento dos precatórios, e eles não são pagos quase que imediatamente. Isso significa que, na maioria dos casos, os pagamentos podem ser atrasados ​​e até mesmo levar muito tempo para serem concluídos. Consequentemente, há precatórios que levam décadas para serem pagos aos credores.

O que mudou com a PEC dos Precatórios. 

Com potencial para liberar R$ 108,4 bilhões de gastos federais no ano que vem, a reforma constitucional que permitiu o parcelamento de precatórios (dívidas públicas finalmente reconhecidas pela Justiça) representou a principal mudança nas contas públicas em 2022. duas etapas, uma em 8 de dezembro, com os pontos aprovados pela câmara e pelo Senado, e outra em 16 de dezembro, com os artigos reformados pelo Senado e votados novamente pelos deputados.

O espaço financeiro vai se originar de duas fontes importantes. A primeira é uma mudança na fórmula de cálculo do teto de gastos federais. Até o momento, os limites anuais foram retificados pela inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulado entre julho de dois anos atrás e junho do ano passado.

Com esta mudança o teto leva em consideração o IPCA atual para os primeiros seis meses do ano e as estimativas de inflação para os últimos seis meses do ano. Devido ao aumento da inflação em 2021, uma nova fórmula libera um orçamento de 64,9 bilhões de reais para o próximo ano. Segundo nota técnica da câmara dos Deputados.

A emenda ao teto de gastos aprovada pelo Senado sem emendas incluiu a primeira parte da PEC emitida pelo Congresso no dia 8. O próprio texto estipula que os R$ 64,9 bilhões destinados ao reajuste só poderão ser usados ​​para custear despesas com saúde, previdência e socorro, que inclui R$ 400 Auxílio Brasil, parte dos quais cobre pensões e reajustes previdenciários., superior ao inicialmente esperado devido à alta inflação.

A segunda parte da PEC, referente ao parcelamento dos adiantamentos, foi alterada pelo Senado e devolvida à Câmara. Essa parte do texto liberou R$ 43,56 bilhões de grandes dívidas que precisavam ser diferidas. De acordo com a substituição sancionada pelo Senado, deste, R$ 39,48 bilhões estão dentro do teto de gastos e se referem à previdência, enquanto Auxilio Brasil e R$ 4,08 bilhões estão fora do teto sem restrição. Com a emenda constitucional, os precatórios passarão a obedecer à seguinte ordem de pagamento:

Primeiro –  requisições de pequeno valor (RPV), precatórios de até 60 salários mínimos para a União (R$ 66 mil em valores de 2021);

Segundo – precatórios de natureza alimentícia (salários, indenizações ou benefícios previdenciários) até três vezes a RPV cujos titulares, originários ou por sucessão hereditária, tenham a partir de 60 anos de idade, ou sejam portadores de doença grave ou pessoas com deficiência;

Terceiro – demais precatórios que sejam de natureza alimentícia até três vezes a RPV;

Quarto – demais precatórios que sejam de natureza alimentícia além de três vezes a RPV;

Quinto – os demais precatórios restantes.

Fundef

Um dos pontos mais importantes da negociação diz respeito às etapas preliminares do antigo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Atualização do ensino (Fundef). De acordo com o texto, isso está fora do limite de gastos da dívida associado ao programa e do limite de pagamento anual de Precatórios.

No caso do Fundef haverá parcelamento. Há sempre três parcelas a partir da data de envio: 40 % no primeiro ano, 30 % no segundo e 30 % no terceiro ano. Dessa forma, as dívidas vencidas em 2022 serão quitadas em 2022, 2023 e 2024. Estados e municípios devem aplicar 60 % dos recursos obtidos junto aos laboratórios do Fundef na forma de bônus para profissionais do ensino ativos e inativos, sem inclusão em salários, pensões e aposentadorias.

Data limite

Em vez de 2036, data do fim do regime fiscal de teto de gastos, a PEC aprovada determina a aplicação do parcelamento de precatórios até 2026. Pela regra geral, o total de precatórios a pagar em cada ano será corrigido pelo IPCA do ano anterior, inclusive restos a pagar quitados. Desse total, serão descontadas as requisições de pequeno valor (até 60 salários mínimos no caso da União), que não entram no teto.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estamos no maior cartão postal de São Paulo!

Localizados estrategicamente na Avenida Paulista, 2421, desfrutamos de uma posição privilegiada no coração de uma das regiões mais prestigiadas da cidade.

Av Paulista 2421, 5º Andar, Bela Vista, São Paulo - SP

Receba uma proposta sem compromisso:

Addebitare Capital S.A CNPJ -42.476.570/0001-00

Todos os direitos reservados

This is a staging environment