BlogPrecatórioComo funciona o pagamento de precatórios estaduais

Como funciona o pagamento de precatórios estaduais

Como funciona o pagamento de precatórios estaduais

Como funciona o pagamento de precatórios estaduais

Os pagamentos de precatórios estaduais que venceram até o final do ano de 2021 estavam programados para serem pagos até 31 de dezembro de 2024. E aqueles que vencem após 2022 deveriam ser pagos até 31 de dezembro de 2029.

Isso é o que foi indicado na época pela Procuradoria-Geral da República em parecer apresentado em Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6.804) proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

Na ADI, o despacho questiona a nova redacção do artigo 101 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). A mudança no dispositivo foi feita pela Emenda Constitucional 109/21, que deu aos governos estaduais mais cinco anos para pagar seus precatórios; a redação anterior da seção ADCT estabelecia que o pagamento das obrigações em aberto seria feito antes de 31 de dezembro de 2024 e não 2029.

No parecer, a PGR afirma que o Supremo Tribunal Federal já entendia que o diferimento do pagamento de inadimplência é meramente extraordinário. A EC 94/16 já havia atrasado o pagamento até 31 de dezembro de 2020. E a EC 99/17 — penúltima emenda — prorrogou o prazo por mais quatro anos — até 2024.

“A Emenda Constitucional 99, de 14.12.2017, ainda estendeu o prazo
por mais quatro anos (até 31.12.2024), mas manteve íntegro o propósito da emenda constitucional anterior: determinar, de uma vez por todas, o
pagamento dos precatórios pelos entes públicos inadimplentes. A data de
31.12.2024 era (ou, pelo menos, propunha-se a ser) o termo final para
pagamento dos precatórios em atraso”, lê-se em parte do documento.

No entanto, para a PGR, outro atraso de cinco anos (previsto pela EC 109/21) para “precatórios há muito vencidos” resultou em “inconstitucionalidade assim como as emendas constitucionais 30/2000 e 62/2009”. Para o STF, essas duas emendas violam os direitos adquiridos do beneficiário do precatório o ato jurídico perfeito e coisa julgada.

“De nada serviria ao indivíduo que teve um direito violado o acesso
ao Poder Judiciário se a reparação jamais fosse concretizada. É o que está a ocorrer com centenas de milhares de pessoas que veem, emenda constitucional após emenda constitucional, o adiamento do prazo para pagamento de seus créditos com o Poder Público” continua o parecer.

Marco temporal

O prazo da PGR argumenta que o atual artigo 101 do ADCT foi declarado inconstitucional em relação às outorgas preliminares devidas apenas até o final deste ano.

Os que vencerem após essa data podem ter o pagamento dentro do prazo especificado no artigo (2029). Isso porque a pandemia do COVID-19 é incomum para justificar um atraso no pagamento.

“Em 2020 e 2021, todo o mundo (incluído o Brasil) foi impactado por
epidemias nacionais de Covid-19, que logo se transformaram numa pandemia de proporções catastróficas para a vida e saúde das pessoas.
Nesse cenário, vultosos recursos do Estado tiveram que ser direcionados para o sistema público de saúde. Num verdadeiro estado de calamidade pública, o Congresso Nacional não teve opção, a não ser instituir um
‘regime extraordinário fiscal, financeiro e de contratações’ (Emenda Constitucional 106/2020)”.

“Assim, numa tentativa de conciliar, uma vez mais, os interesses dos
credores e os das Fazendas Públicas estaduais, distrital e municipais, tem-se por constitucional a postergação, por mais cinco anos (até 31/12/2029), do regime especial de pagamento dos precatórios, apenas em relação aos precatórios vencidos após 31/12/2021”, conclui.

O que mudou coma PEC dos Precatórios?

Como funciona o pagamento de precatórios estaduaisA PEC 23/2021 alterou algumas regras quanto ao pagamento desses precatórios pelo governo. Naturalmente, isso também afetará o recebimento desses valores em 2022 e nos próximos anos. Aqui estão algumas das principais áreas que sofreram alterações:

Parcelamento

O ponto mais importante da nova PEC é a possibilidade de parcelamento para municípios em dívida. Isso significa que alguns deles serão priorizados na lista de pagamentos do governo de acordo com os seguintes critérios:

requisições de pequeno valor (RPV), precatórios de até 60 salários mínimos para a União (R$ 66 mil em valores de 2021);

precatórios de natureza alimentícia (salários, indenizações ou benefícios previdenciários) até três vezes a RPV cujos titulares, originários ou por sucessão hereditária, tenham a partir de 60 anos de idade, ou sejam portadores de doença grave ou pessoas com deficiência;

demais precatórios de natureza alimentícia até três vezes a RPV;

demais precatórios de natureza alimentícia além de três vezes a RPV;

demais precatórios.

Conheça a Addebitare

Se você está na fila dos precatórios e vê que está cada vez mais difícil receber o seu precatório, você pode vender o seu título sabia?

A Addebitare é uma empresa especializada na compra de precatórios, é tudo muito simples. Basta enviar suas informações pessoais e do seu precatório para que possamos fazer uma consulta rápida da viabilidade de negociação do mesmo.

Faremos uma análise jurídica aprofundada para entender as condições atuais do seu precatório. Nesse momento podemos pedir outros documentos para complementar a análise.

Faremos uma oferta para vender o seu precatório. Buscamos sempre oferecer um preço competitivo comparado ao mercado. Realizados os devidos trâmites legais, o dinheiro é depositado na sua conta dentro do prazo combinado.

 

 



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estamos no maior cartão postal de São Paulo!

Localizados estrategicamente na Avenida Paulista, 2421, desfrutamos de uma posição privilegiada no coração de uma das regiões mais prestigiadas da cidade.

Av Paulista 2421, 5º Andar, Bela Vista, São Paulo - SP

Receba uma proposta sem compromisso:

Addebitare Capital S.A CNPJ -42.476.570/0001-00

Todos os direitos reservados

This is a staging environment